Atendentes da Central 1746 participam de palestras da Secretaria de Saúde sobre DSTs

 08/02/2018 /   Notícias
Compartilhar:       Imprimir


Os operadores da Central 1746 de Atendimento ao Cidadão participaram, nesta quinta-feira (8), de palestras informativas sobre Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST), nomenclatura adotada em substituição à expressão Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST).

As palestras foram ministradas pela equipe do Programa de IST/AIDS da Secretaria Municipal de Saúde no auditório da Central 1746 para os funcionários que fazem o atendimento ao cidadão. Além da ação de conscientização, foram distribuídos mais de mil preservativos masculinos e femininos para todos os colaboradores da operação.

A médica gerente do Programa de IST/AIDS da Secretaria Municipal de Saúde, Guida Silva, esclarece que informações sobre sexo e doenças sexualmente transmissíveis ainda não são muito divulgadas, mas são a causa de muitas mortes no país.

“Palestras como estas são importantes porque as DST não são muito faladas. As pessoas morrem vítimas da Dengue e Chikungunya, mas muito mais gente morre após ter contraído uma DST, se contabilizar hepatites virais, HIV e Sífilis, mas como o assunto é sexo ainda existe um tabu”, alertou.

A atendente Jéssica da Costa Correa, 23 anos, trabalha há três meses na Central 1746 e destacou a importância da palestra ministrada.

“Estamos em um período em que recebemos uma enxurrada de informação e a gente não sabe o que é real. Acho que a disseminação das formas de prevenir é importante. Por exemplo, meu pai tem um estúdio de tatuagem e as pessoas não ligam muito para verificar se os materiais estão esterilizados ou não”, contou.

A infectologista da Secretaria Municipal de Saúde, Valéria Carvalho, afirmou que a disseminação da informação em palestras informativas que o funcionário possa participar é essencial.

“Tem o benefício pessoal, mas tem o coletivo. Para o atendimento que o operador vai fazer no trabalho e para a disseminação com o vizinho e com parentes. Informação boa nunca é demais”, explicou.

O atendente Hugo Aragão Rodrigues, de 26 anos, contou que o conhecimento adquirido irá colaborar ainda mais no seu atendimento ao cidadão.

“É um assunto que está no nosso cotidiano porque tem gente que se sente envergonhada em falar. Muitas vezes o cidadão liga nervoso e preocupado por não saber o que fazer. Procuramos acalmá-lo e transmitir corretamente as informações sobre o tratamento”, disse.

Para saber mais sobre doenças, tratamentos e prevenção, acesse o portal da Secretaria Municipal de Saúde: http://www.rio.rj.gov.br/web/sms
Para outras informações, ligue 1746.

Veja também ...